Senado vai examinar fidelidade partidária

Depois de dois adiamentos, será finalmente examinado pelossenadores, na próxima quinta-feira, o projeto de lei que dificulta a troca de partido políticos.Pela proposta do relator da reformapolítica, senador Sérgio Machado (PSDB-CE), só poderão disputar eleições os candidatos que estiverem filiados ao partido hápelo menos quatro anos.As exceções previstas são para os detentores de mandato que participarem da criação de um novo partido, da fusão delegendas ou para os que não tiverem mandatos.O PFL é o único partido que se mostrou até agora favorável ao projeto, que, mesmo sem obter o consenso, tem sua aprovação noSenado como praticamente certa.O presidente do partido, senador Jorge Bornhausen (SC), disse que, se a aprovação ocorrertambém na Câmara antes de setembro, o impedimento do troca-troca de partidos começará a valer já nas eleições de 2002.É aprimeira vez neste ano que entra em pauta uma das matérias da reforma política e partidária, que vem sendo examinada noSenado desde 1995.Foram aprovadas no ano passado, e agora aguardam o exame dos deputados, a proposta que impede ascoligações nas eleições proporcionais e a que cria regras mais rígidas para os partidos disputarem eleições.O presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), defendeu nesta segunda-feira a aprovação do projeto que institui o financiamentopúblico de campanha nas eleições realizadas em todo o País.Tida como a mais polêmica das mudanças, a proposta ainda nãotem data para entrar em plenário. Para Barbalho, a consolidação da reeleição nas eleições municipais do ano passado marca omomento de adotar o financiamento público.O senador disse que considera a oposição a esse tipo de proposta ?uma posturafarisaica?. Segundo ele, é muito melhor o partido político recorrer a um fundo conhecido de campanha em vez de ficar nadependência da ajuda de empreiteiras.A proposta que está em debate prevê a distribuição do chamado fundo de campanhaproporcionalmente ao total de eleitores da última campanha, levando em conta os candidatos de cada partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.