Senado vai cortar 2.400 entre comissionados e terceirizados

Medida faz parte do pacote de redução de 40% de pessoal terceirizado e que tem cargo em comissão

Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo,

08 de julho de 2009 | 12h23

O Senado vai cortar cerca de 2.400 funcionários entre comissionados e terceirizados. A medida faz parte do pacote de redução de 40% de pessoal terceirizado e que tem cargo em comissão no Senado - um total de seis mil pessoas - e será anunciada nesta quinta-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Pela proposta de reestruturação da Casa, o número de diretorias cairá de 181 para nove. Na proposta inicial, apresentada há cerca de um mês pela FGV, as diretorias seriam em número de sete. Mas agora, na versão final, vão ficar nove.

 

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP)se reuniu com técnicos da FGV e da Casa para discutir a reforma administrativa do Senado, depois de identificada uma série de irregularidades.

 

Veja também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

 

"Vamos cortar 2.400 pessoas o mais rápido possível, mas não será feito imediatamente. Isso será feito à medida em que os contratos de prestação de serviços forem sendo revistos", explicou o diretor da FGV, professor Bianor Cavalcanti, que dará coletiva amanhã, às 11 horas, detalhando a proposta de reestruturação do Senado.

 

Segundo o primeiro secretário do Senado, Heráclito Fortes (DEM-PI), as medidas de reestruturação da Casa serão implantadas daqui a 20 dias. Uma comissão formada por servidores do Senado apresentou hoje um relatório com propostas de modernização da Casa. Uma delas prevê a redução em R$ 292 mil mensais de gastos com cargos em comissão. A proposta original da FGV previa uma redução maior: R$ 340 mil por mês.

 

(Com Rosana de Cassia, de O Estado de S.Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.