Senado vai compreender e aprovar ajuste fiscal, diz Temer

Em semana decisiva para o governo, vice-presidente afirma que Planalto 'vai até o fim' pelas propostas feitas pela equipe econômica

Rafael Moraes Moura, O Estado de S. Paulo

25 de maio de 2015 | 12h46

Brasília - Em uma semana decisiva para o ajuste fiscal promovido pelo Palácio do Planalto, o vice-presidente Michel Temer disse nesta segunda-feira, 25, que o Senado Federal vai "compreender" a importância das medidas provisórias 664 e 665, que alteram as regras de benefícios previdenciários e trabalhistas, afirmou que o governo "vai até o fim" no ajuste e minimizou as críticas do PT às medidas implantadas pela equipe econômica da presidente Dilma Rousseff.

"É realmente decisiva (a semana). Nós entendemos que o Senado Federal vai compreender o ajuste fiscal e vai aprová-lo", disse Temer a jornalistas, depois de participar da reunião de coordenação política no Palácio do Planalto, com a presidente Dilma Rousseff. "O que ficou estabelecido é o seguinte: o ajuste fiscal vai até o fim. E vai até o fim em benefício do País. Está muito unificado o governo em torno da ideia pra não deixar dúvida de que o ajuste vai até o final."

Na semana passada, o Planalto foi surpreendido com a atitude do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que subscreveu um manifesto elaborado por um grupo suprapartidário contra as medidas do ajuste e atacou a política econômica do ministro Joaquim Levy. 

Com o diagnóstico de que uma medida provisória vital para o ajuste fiscal poderia ser rejeitada, os aliados do Palácio do Planalto manobraram para adiar a votação, jogando a análise da proposta para a última semana de validade da MP.

"Dá tempo de conversar, de dialogar com o PT, acho que é possível ainda trazer os votos. Acho que teremos votos necessários e suficientes para a aprovação", comentou Temer, minimizando a repercussão do posicionamento de Lindbergh dentro do Planalto.

Temer negou que o governo queria deixar caducar a MP 664, que altera as regras de benefícios previdenciários. "Não é o que o governo pensa (deixar caducar a MP 664), o governo quer levar até o final (o ajuste fiscal). Inclusive a (medida provisória) 664", assegurou Temer. 

Camisa. Questionado se o PT do Senado iria vestir a camisa do ajuste fiscal, o vice-presidente respondeu: "Está vestindo, são apenas dois companheiros (além de Lindbergh, o senador petista Paulo Paim assinou o manifesto) que estão com dúvida em relação a isso, mas acho que até o momento da votação ainda é possível convencê-los."

Na avaliação do vice-presidente, a melhor forma de se dirigir ao PT é "mostrar, evidenciar, aquilo que todos sabemos: que o ajuste é indispensável para termos uma economia saudável". "Foi assim na Câmara, a Câmara dos Deputados colaborou, e eu tenho certeza que lá no Senado a base aliada também vai colaborar e a oposição compreender", afirmou Temer.

"Veja que tivemos sucesso na articulação na Câmara dos Deputados e igualmente na aprovação do ministro Fachin (no Senado Federal). É preciso que o governo não titubeie, não estamos titubeando, não pode haver nenhuma fragilização em relação ao ajuste. Porque, senão começa a dar a impressão de que o governo não tem interesse e ainda agora na reunião, quando se discutiu esse tema, verificou-se que todo o governo está empenhadíssimo na aprovação. O que eu não quero, evidentemente, é que num dado momento se diga que a articulação falhou", disse o vice-presidente.

Tudo o que sabemos sobre:
ajuste fiscalMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.