Senado vai abrir sindicância para apurar suspeita de fraude em CPI

Presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), determina investigação sobre denúncias de combinação de perguntas e respostas entre integrantes da comissão e cúpula da estatal

Ricardo Brito, Agência Estado

05 de agosto de 2014 | 16h38

Brasília - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta terça-feira, 5, que determinou a abertura de uma comissão de sindicância para apurar as suspeitas de que houve uma combinação de perguntas e respostas entre integrantes da comissão e a cúpula da estatal. O caso veio à tona no último final de semana, após a revista Veja ter revelado um vídeo no qual depoentes representantes da Petrobrás conversam sobre o "gabarito" das apurações.

Renan disse ter determinado a abertura da apuração interna para esclarecer todas as responsabilidades do episódio. A gravação aponta que poderiam estar envolvidos parlamentares e assessores técnicos da CPI - que negam as acusações.

O presidente do Senado descartou a suspensão dos trabalhos durante as investigações. "Não precisa suspender nada absolutamente. Precisamos apurar absolutamente tudo o que foi denunciado", disse, ao destacar que a CPI é um instrumento que não pode sair arranhado.

Fora dos microfones, perguntado se as denúncias são graves, o presidente do Senado assentiu com a cabeça que sim.

Também nesta terça, o presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), pediu investigação do caso à Polícia Federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.