Senado quer rastrear cheques no caso das TDAs

O colégio de líderes partidários no Senado aprovou o rastreamento dos cheques no valor total de R$ 4 milhões que teriam sido pagos ao presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), em troca de Títulos da Dívida Agrária usados para desapropriação de uma área de terra inexistente, a Fazenda Paraíso, na época em que Barbalho era ministro da Reforma Agrária.Na próxima terça-feira, o colégio de líderes vai ao Ministério Público para pedir pressa no esclarecimento das denúncias de irregularidades envolvendo o nome de Barbalho, e dará seguimento ao requerimento da oposição pedindo informações ao Banco Central sobre os relatórios que teriam apontado o suposto desvio de recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará) na época em que Barbalho era governador do Pará. Jader Barbalho disse que as decisões tomadas pelo colégio de líderes atendem plenamente ao que ele esperava. Algumas delas, inclusive, segundo o senador, já tinham sido solicitadas por ele e pelo corregedor, senador Romeu Tuma (PFL-SP). "Foi bom para a instituição", comentou. Indagado se, com a decisão de hoje, ele ganhará tempo para se defender, Jader afirmou: "Não tenho nada a esclarecer; o Ministério Público é que vai investigar toda esta comédia". Ao ser indagado se a decisão do colégio de líderes de hoje significaria um aval a ele, respondeu: "Não preciso absolutamente de aval. As denúncias valem pela qualidade e não pela quantidade. Senão, é mera orquestração".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.