Senado quer informações sobre recuo de Buratti no caso Palocci

Senador da CPI dos Bingos ameaça empresário com queixa-crime se ele tiver recuado da versão para a comissão

ROSA COSTA, Agencia Estado

27 de fevereiro de 2008 | 20h30

Por iniciativa do senador Efraim Morais (DEM-PB), o Senado vai pedir à Justiça de São Paulo informações sobre a retratação do empresário Rogério Buratti a respeito das acusações que fez contra o então ministro da Fazenda e hoje deputado Antonio Palocci (PT-SP). Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, que investigou denúncias sobre o esquema de lobby supostamente patrocinado por Palocci e seus amigos de Ribeirão Preto, Efraim afirmou que o Senado entrará com uma queixa-crime contra Buratti, caso ele também tenha negado o que disse sobre o caso na comissão. Veja também: Demitido delegado que indiciou PalocciSTF não define data de julgamento do caso PalocciPalocci atuou em quebra de sigilo, diz procuradorLeia a reportagem do 'Estado' que resultou na queda de PalocciO senador disse que ficou "perplexo" ao saber da retratação, mesmo tendo o empresário se favorecido da delação premiada que o livrou da pena de prisão. "Buratti veio à CPI e falou sob juramento", lembrou. "Fez todo um depoimento sob juramento e agora simplesmente nega tudo", protestou. Para Efraim, se a prática virar "uma rotina" no Congresso ou no tribunal, "amanhã, qualquer testemunha vai dar um depoimento e dizer depois que estava brincando". Entenda o caso Palocci O então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, elogiado até pela oposição por sua rigidez no comando da economia, entregou o posto em 27 de março de 2006. Saiu três semanas após o jornal O Estado de S. Paulo publicar um relato do caseiro Francenildo dos Santos Costa, o Nildo, sobre festas e partilha de dinheiro em uma mansão no Lago Sul de Brasília, com participação de Palocci e da chamada "República de Ribeirão", encontro de lobistas em uma mansão em Brasília. Nos dias seguintes, Nildo teve o sigilo bancário violado, operação que derrubou não só Palocci como o comando da Caixa. Em 2005, Palocci foi indiciado no inquérito sobre a máfia do lixo em Ribeirão Preto - cidade que o ex-ministro administrou em duas ocasiões. Ele é acusado de licitações fraudulentas, desvio de dinheiro e recebimento de propina. Grande parte das acusações foi feita por Rogério Buratti. O empresário denunciou mensalão de R$ 50 mil que teria sido pago pela empreiteira Leão & Leão ao petista na época em que comandou a Prefeitura de Ribeirão pela segunda vez, entre 2000 e 2002. O empresário Rogério Buratti, principal testemunha do Ministério Público, já voltou atrás em suas acusações, como revelou o jornal O Estado de S. Paulo na semana passada, mas o Supremo não tem acompanhado a dinâmica do caso. Buratti também envolveu o ex-ministro nas negociações da chamada "máfia do lixo", e na renovação de contrato da Gtech. As acusações nunca chegaram a ser provadas judicialmente.var keywords = ""; A intenção inicial de Efraim era a de que o Senado entrasse logo contra a queixa-crime, mas ele foi desestimulado pelo senador Tião Viana (PT-AC). O senador petista alegou que, antes, a Casa tem de ter acesso ao depoimento do empresário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.