Luis Macedo/Agência Câmara
Luis Macedo/Agência Câmara

'Senado precisa assumir sua responsabilidade', diz Rodrigo Maia sobre doação oculta

Para relator da reforma política na Câmara, senadores 'transferiram' ônus que deveria ser de todo o Congresso

Entrevista com

Rodrigo Maia (DEM-RJ)

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

15 de setembro de 2015 | 11h11

Relator da reforma política na Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) diz que o Senado tenta transferir uma 'responsabilidade que deveria ser de todos' no Congresso, ao comentar o dispositivo que torna oficial as doações ocultas de campanha. "Agora cabe à presidente decidir (se mantém ou veta esse item)", afirma. Leia a entrevista do deputado.

O texto final da reforma política foi aprovado com um dispositivo que oculta as doações empresariais a políticos. Quem é o responsável?

Eles (Senado) deixaram (no projeto) aquilo que interessava a eles. É uma forma de transferir para terceiros uma responsabilidade que deveria ser de todos. O texto da Câmara trata assim: 'só o partido político poderá receber doação de pessoa jurídica. O partido tem 72 horas para apresentar as empresas que doaram. E o Senado introduziu: “e não há necessidade de dizer qual foi a empresa que doou ao partido quando essa doação chegar ao candidato.'O Senado precisa assumir as suas responsabilidades.

Mas a Câmara manteve o dispositivo. Por que?

A Câmara entendeu que esse não era o ponto principal do debate. Ninguém quis destacar. Ninguém achou que esse tema merecia um segundo debate. Agora cabe à presidente decidir. A Câmara não polemizou nesse tema porque queria aprovar logo a matéria e mandá-la para a presidente. O debate mais importante era saber se poderia ou não ter o financiamento privado.

Não acha que dispositivo permite a ocultação da ação dos deputados que atuam pelas empresas que os financiam?

Não acho que seja ocultação. Se Dilma sancionar, o DEM vai informar a origem das doações de todos aqueles que receberam doações privadas, independente de ser obrigatório. Por zelo, o Democratas fará isso. O que financia a corrupção é não ter o financiamento privado. Financiamento privado não tem relação com a corrupção. A Alemanha tem financiamento privado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.