Senado pode acabar com rodeios no Brasil

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado pode dar amanhã um importante passo para acabar com os rodeios no Brasil. Integrantes da comissão, presidida por Romeu Tuma (PFL-SP), têm reunião para dar parecer na emenda da senadora Marina Silva (PT-AC) ao projeto de lei do deputado Jair Meneguelli (PT-SP) que proíbe os promotores de rodeios de usar sedém nos animais. Sem essa cinta de couro - que pressiona o flanco de touros e cavalos e os estimula a saltar para se livrar da dor e do incômodo -, os espetáculos perdem sua maior atração.Por causa da reunião dos senadores, esta semana circularam na internet manifestações a favor e contra os rodeios. Os que são contra, como a União Internacional Protetora dos Animais, argumentam que o sedém é uma peça de tortura. Sugerem que provas de baliza e tambor, a cavalo, ou laço de bovinos, que não causam desconforto aos animais, poderiam substituir os rodeiros.A Associação dos Profissionais de Rodeio de Bauru, favorável ao uso do sedém, diz que a montaria em cavalos e touros "está na lista dos esportes mais radicais da atualidade, com emocionantes provas inspiradas no manejo do gado e na doma de cavalos nas fazendas".Segundo a associação, depois dos Estados Unidos, o Brasil tem a maior indústria de rodeio do mundo, com cerca de 1.800 eventos por ano e público de 24 milhões de pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.