Senado mantém 21 de 50 diretorias que extinguiria

Promessa foi feita há quatro meses; Heráclito Fortes, o primeiro-secretário, admite problemas

, O Estadao de S.Paulo

27 de junho de 2009 | 00h00

Quase quatro meses depois de o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), ter determinado o fim de 50 diretorias da Casa, o primeiro-secretário do Senado, Heráclito Fortes (DEM-PI), admitiu anteontem que "por dificuldades internas para se tomar providências" algumas diretorias não foram extintas. Segundo o Portal da Transparência do Senado, 21 cargos de direção e diretorias continuam existindo, apesar da decisão da Mesa Diretora, em março, para que 50 fossem extintos. Entre os cargos de direção que permanecem estão a Coordenação de Administração de Residência, conhecida como "diretoria de garagem", e a Coordenação de Apoio Aeroportuário, chamada de diretoria de "check in". O funcionário Elias Lyra Brandão continua ocupando o cargo de diretor de garagem. Francisco Carlos Melo Farias ainda é diretor de check in. Heráclito Fortes explicou que, nos próximos dias, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) vai entregar um organograma com um novo quadro de funcionários do Senado Federal. "Estamos absolutamente tranquilos que este novo quadro funcional será implantado no momento em que a fundação fizer a entrega do estudo", informou anteontem o primeiro-secretário.Em março, diante da descoberta de que o Senado contava com 181 diretorias, Sarney determinou a extinção imediata de 50 delas. Na época, o Senado contratou a FGV para a elaboração de um estudo com o enxugamento da estrutura da Casa. CORTESA proposta preliminar apresentada pela FGV prevê a redução das funções comissionadas do Senado das atuais 622 para 435. O objetivo é cortar 187 funções, o que deve resultar em uma redução de custos de R$ 650 mil por mês, segundo estimativas da Fundação.De acordo com o estudo, o Senado ficaria com apenas sete diretorias. Das atuais 38 secretarias, que têm status de direção, 22 seriam convertidas em departamentos, assessorias e controladorias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.