Senado investiga vazamento de informações à imprensa

Para inibir o vazamento de informações sobre o Senado, o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), mandou abrir uma sindicância para investigar quem vazou a matéria sobre o pagamento superfaturado de rescisões trabalhistas.

ROSA COSTA, Agencia Estado

18 de janeiro de 2010 | 19h35

O diretor-geral, Haroldo Tajra, nomeou seis policiais do Legislativo para identificarem, no prazo de 90 dias, quem passou a informação ao jornal. A iniciativa não tem amparo no Regimento da instituição. Os processos das rescisões não são sigilosos.

Os documentos comprovam o pagamento indevido de R$ 257 mil pela exoneração de 131 servidores comissionados, que são indicados pelos senadores sem concurso. Na lista de supostos beneficiários está, segundo relatou o jornal ''Folha de S.Paulo'', a filha do líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR).

A Comunicação Social do Senado informou que não foi ouvida sobre a medida. O primeiro-secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), tampouco se responsabiliza pela criação da comissão.

Procurado, Tajra não quis dar entrevista. Por meio da assessoria de imprensa da Casa, afirmou que sua intenção é a de impedir a divulgação de atos e processos capazes de resultar em ações judiciais contra a Casa.

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoJosé Sarneyvazamentoimprensa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.