Senado investiga furto de dados de servidores da Casa

A Polícia do Senado deve concluir até o fim do ano investigação sobre uma quadrilha especializada em furtar dados pessoais de servidores da Casa. O esquema se baseava na brecha existente para acessar na intranet contracheques de funcionários efetivos. Na falta da senha específica - por esquecimento ou por não ter ainda providenciado - os servidores eram autorizados a utilizar o número da matrícula, que aparece ao lado de seu nome no Portal da Transparência do Senado.

ROSA COSTA, Agência Estado

20 de setembro de 2011 | 16h59

A informação de funcionários é que membros da quadrilha "testavam" as matrículas, obtendo daí o acesso ao contracheque, em que constam todos os dados do funcionário. As informações eram utilizadas na feitura de documentação falsa que, transferida a laranjas, eram utilizadas na aquisição de bens de valor elevado. O caso mais notório é o de uma funcionária que foi cobrada pela compra de dois veículos. O caso é alvo de outro processo na Justiça para provar que os documentos foram utilizados fraudulentamente.

Alegando que a apuração está sob segredo de Justiça, o diretor da polícia, Pedro Araujo Carvalho, evitou dar detalhes sobre o episódio. Ele se limitou a dizer que o alvo é mesmo "uma quadrilha" e que a Justiça autorizou a quebra do sigilo bancário de seus integrantes. Tampouco quis dizer se há ou não servidores da casa envolvidos no esquema. Pedro disse que partiu do Senado o pediu à Justiça do sigilo dos procedimentos, pelos próximos três meses, "para não atrapalhar as investigações".

Mais conteúdo sobre:
Senadoservidoresdadosfurtos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.