Senado instala Conselho de Ética; aliado de Sarney vai presidir

Há quatro pedidos para investigar presidente da Casa; próxima reunião foi marcada para depois do recesso

Eugênia Lopes, de O Estado de S. Paulo,

15 de julho de 2009 | 15h49

O Senado conseguiu instalar nesta quarta-feira, 15, o Conselho de Ética, que pode abrir investigação contra o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP). O senador Paulo Duque (PMDB-RJ), indicado do líder do PMDB, Renan Calheiros (PMDB-AL), e aliado de Sarney, foi eleito presidente do conselho. Foram dez votos favoráveis ao nome de Duque, quatro em branco e uma abstenção. O peemedebista ficará no comando do conselho pelos próximos dois anos. Duque marcou a próxima reunião do conselho para o dia 5 de agosto.

 

Veja Também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

 

Duque é segundo suplente do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e teve uma atuação considerada "ótima" pelos líderes governistas ao presidir ontem a instalação dos trabalhos da CPI da Petrobras. 

 

Hoje, os senadores Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) e João Ribeiro (PR-TO) pediram afastamento do conselho. Valadares pretendia ser indicado para a presidência, mas disse que resolveu se afastar porque não havia consenso entre os colegas.

 

O senador Renato Casagrande (PSB-ES) atribuiu a "falta de consenso" à tentativa de alguns grupos de "blindar" Sarney, alvo de seguidas denúncias de envolvimento em irregularidades. Uma representação partidária - do PSOL - e três denúncias do líder do PSDB, Arthur Virgílio, já foram enviadas ao Conselho de Ética requerendo a abertura de processos contra Sarney por quebra de decoro.

Tudo o que sabemos sobre:
Conselho de Ética

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.