Senado inicia discussão da CPMF

O Senado iniciou a discussão, em primeiro turno, da proposta de emenda constitucional que prorroga a CPMF até dezembro de 2004. O primeiro turno terá cinco sessões de discussão do texto da CPMF. Já foi encerrada a primeira dessas sessões, e neste momento realiza-se a segunda. Enquanto na primeira sessão não houve interessados para discutir a proposta, a segunda sessão está suscitando discussão sobre a reforma tributária. O senador Roberto Requião (PMDB-PR) criticou o aumento da dívida pública brasileira de R$ 67 bilhões para R$ 740 bilhões, e o fato de a CPMF retirar, segundo ele, R$ 1,5 bilhão do comércio. O senador Pedro Simon (PMDB-RS) criticou a CPMF, ao mesmo tempo em que defendeu a proposta de reforma tributária que está parada na Câmara desde o ano passado. O líder do PSDB no Senado, Geraldo Melo (RN) responde às críticas feitas ao governo, afirmando que a reforma tributária não foi votada porque o Congresso Nacional não quis. Ele admitiu que o tamanho da dívida brasileira é grande, mas ressaltou que não é o seu tamanho, mas seu prazo curto, que cria dificuldades para a economia nacional. "Por isso, o governo defende a preservação dos fundamentos da economia, que permitirão a redução dos juros", afirmou Melo, considerando que isso poderá melhorar o perfil da dívida pública brasileira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.