Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Senado ''descobre'' que tem 181 diretores e decide cortar metade

Em mais um ato político para responder à onda de escândalos, Sarney anuncia reforma administrativa na Casa

Eugênia Lopes, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2009 | 00h00

Diretoria de check in, para facilitar o embarque dos senadores nos aeroportos, diretoria de visitação, para acompanhar a visita de turistas ao Senado, e ainda uma outra apenas para cuidar das comunicações por rádio em ondas curtas. O Senado tem 181 diretores em seu quadro funcional, o que representa mais de dois para cada um dos 81 senadores. Segundo o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), a ideia é reduzir pela metade o número de cargos de direção na reestruturação administrativa que será promovida na Casa. O que significaria que, depois da reforma, o Senado terá em média um diretor por senador. A profusão de diretores é tão grande que, por ironia, a própria direção do Senado teve dificuldades para levantar o número exato. Na terça-feira, depois que Sarney determinou o afastamento dos funcionários dos cargos, foi divulgado que a medida atingiria 131 pessoas, depois 136. Ontem o número variou algumas vezes até fechar em 181. Tantos cargos exigiram criatividade na hora de designá-los. A diretoria de check in, por exemplo, é conhecida oficialmente pelo nome de "coordenação de apoio aeroportuário". Uma das diretorias é ocupada por uma jornalista que faz as vezes de assessora da senadora Roseana Sarney (PMDB-MA).A maioria dos diretores ganha em torno de R$ 20 mil, mas muitos, pela antiguidade como funcionários de carreira do Senado, recebem o teto, R$ 24,5 mil.A expectativa é que a reestruturação administrativa seja concluída em seis meses. O anúncio da reforma foi feito ontem por Sarney, em mais um ato político para tentar dar a resposta às denúncias de irregularidades na Casa. Por enquanto, Sarney assinou apenas um protocolo de intenções com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que ficará encarregada de fazer uma auditoria e os estudos para enxugar a máquina administrativa. Sarney pediu na terça-feira que os diretores do Senado pusessem seus cargos à disposição, mas, até o início da noite de ontem nenhuma exoneração havia se se efetivado. Na solenidade de assinatura do protocolo com a FGV, Sarney fez um desabafo: "Não tenho mais aspiração política, a não ser cumprir este meu último mandato. Portanto irei fazer o que for necessário." Diante de uma dezena de senadores, ele afirmou que o Senado "precisa sair dessa discussão menor", em referência às denúncias contra a Casa (veja quadro)."Todos (os diretores) vão sair e vamos analisar pelo critério de mérito quem vai ficar. Coloquei meu nome, minha carreira, mais uma vez, sem necessidade. Vocês têm de compreender que para mim não é fácil. Aceitei prestar um serviço à Casa", argumentou Sarney, ao afirmar que também não sabia da existência de tantos cargos de direção no Senado. "Não é do meu temperamento ser a palmatória do mundo."MAR DE ROSAS"Os diretores continuam nas suas funções. Não podemos demitir todos de uma vez só. Vamos analisar caso a caso e esperar o estudo encomendado à Fundação Getúlio Vargas. Não podemos estipular prazos. Mas, em seis meses quero estar num mar de rosas, em céu de brigadeiro", disse o senador Heráclito Fortes (DEM-PI), primeiro-secretário do Senado. Depois de anunciar a reestruturação do Senado, Sarney reuniu-se com os integrantes da Mesa Diretora e acertou a adoção de novas medidas. Além de instituir o ponto a partir das 18h30 para controlar o pagamento de hora extra aos servidores, a cúpula do Senado resolveu limitar o benefício. Ficou acertado ainda que os terceirizados serão substituídos aos poucos por funcionários concursados.OS ÚLTIMOS DIAS3 de março - Agaciel Maia, diretor-geral do Senado por 14 anos, deixa cargo após a revelação de que registrou uma casa avaliada em R$ 5 milhões no nome do deputado João Maia (PR-RN), seu irmão10 de março - O Senado pagou R$ 6,2 milhões em horas extras para 3.883 servidores em janeiro, quando a Casa estava em recesso 12 de março - Revelação de que o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), deslocou para o Maranhão quatro seguranças da Casa para reforçar a defesa de seus imóveis no Estado12 de março - Substituto interino de Agaciel Maia, o diretor de Recursos Humanos, João Carlos Zoghbi, emprestou apartamento funcional para um de seus filhos15 de março - Parentes de três diretores do Senado foram contratados por duas empresas que prestam serviços à Casa 16 de março - A senadora Roseana Sarney (PMDB-MA) usou passagens aéreas de sua cota no Senado para trazer assessoresdo Maranhão para Brasília18 março - Revelação de que Tião Viana (PT-AC) emprestou o celular do Senado para sua filha usar durante viagem ao México

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.