Senado define quem cuida do painel eletrônico

O nome da empresa que vai prestar assistência técnica ao painel eletrônico do Senado será conhecido na próxima quinta-feira. Com duração de 18 meses, o contrato será firmado por volta do dia 15 de março. Para a escolha da empresa, a diretoria do Prodasen promoveu licitação em todo o território nacional.Nesta segunda-feira, foi renovado provisoriamente, por R$ 9,5 mil, sem licitação, o contrato com a Panavideo Tecnologia Eletrônica, encerrado no dia 2 de janeiro. O diretor de administração do Senado, Max Vieira, explicou que a dispensa da licitação ocorreu por se tratar de uma situação de emergência, prevista em lei.Os cuidados com a manutenção do painel passaram a chamar a atenção em maio do ano passado, ocasião em que os ex-senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (PFL-DF) foram flagrados no episódio da violação da sessão secreta em que foi cassado o senador Luiz Estevão. ACM e Arruda teriam convencido a diretoria do Prodasen, Regina Borges, a "abrir" a lista dessa votação. ACM e Arruda tiveram de renunciar ao mandato para não serem cassados. Regina renunciou ao cargo e foi suspensa por seis meses.O Prodasen divulgou no Diário Oficial desta segunda as multas que aplicou contra as empresas M.I. Montreal Informática, no valor de R$ 10,12 mil, e Inforsil Comércio de Suprimentos para Informática, de R$ 50,29 mil. O gestor dos contratos, Francisco Fiuza, disse que houve, no primeiro caso, deficiência na montagem do esquema de acesso digital ao órgão. Já a Inforsil não teria cumprido o contrato de fornecimento de material para impressoras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.