Senado corta idas ao Rio, mas não restringe uso de passagens

Enquanto a Câmara anuncia restrição ao uso de passagens, senadores ficam livres para agir 'com a consciência'

Eugênia Lopes, de O Estado de S. Paulo,

16 de abril de 2009 | 12h42

Após o anúncio da Câmara, a Mesa Diretora do Senado também decidiu cortar as duas passagens aéreas para o Rio de Janeiro a que os senadores têm direito. Com o corte, a expectativa é que os gastos com passagens aéreas caiam dos atuais R$ 1,3 milhão por mês para R$ 975 mil mensais. "Deverá haver uma economia entre 25% e 30% com as passagens aéreas", disse o senador Heráclito Fortes (DEM-PI), primeiro-secretário do Senado. Cada senador terá direto a cinco passagens aéreas por mês. Os líderes e integrantes da Mesa que tinham uma cota maior também ficarão com cinco passagens mensais.

 

Veja também:

linkPressionada, Câmara anuncia corte de 20% na cota de viagem dos deputados

linkMinistros usam verbas da Câmara para viajar 

linkEx de Galisteu devolve R$ 21 mil à Câmara por gasto em viagem

linkDeputado paga passagens para artistas com verba da Câmara

 

A Mesa do Senado manteve, no entanto, a permissão para que os senadores usem sua cota de passagens como bem entender: poderão dar passagens para cônjuge, filhos, parentes, correligionários e assessores. "A passagem é para o parlamentar. Caberá ao senador agir de acordo com sua consciência. Quem cometer irregularidade que assuma a responsabilidade", afirmou Heráclito.

 

O senador poderá usar ou dar para um indicado a passagem para o exterior. A Mesa também regularizou o uso da cota de passagem e da verba indenizatória, que corresponde a R$ 15 mil por mês, para que os senadores possam alugar aeronaves e barcos. Mas o aluguel de jatinho e embarcações só poderá ocorrer dentro do estado do senador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.