Senado convoca Amorim para explicar apoio brasileiro ao Irã

Convite para chanceler foi uma iniciativa do senador Heráclito Fortes, vice-líder da oposição na Casa

Agência Brasil,

25 Fevereiro 2010 | 12h07

O Senado quer explicações do governo sobre o eventual apoio e participação no programa nuclear do Irã. A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional aprovou nesta quinta-feira, 25, o convite para o ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, para prestar esclarecimentos sobre o assunto. O tema é considerado polêmico e ganhou novos elementos depois que o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, informou que haverá enriquecimento de até 20% do urânio. Em várias ocasiões, Amorim afirmou que o governo é favorável ao desenvolvimento de um programa para fins pacíficos e que defende o desarmamento. Porém, um grupo de países liderado pelos Estados Unidos levanta dúvidas sobre o programa iraniano.

 

A iniciativa para que Amorim compareça ao Senado foi do senador Heráclito Fortes (DEM-PI), vice-líder da oposição na Casa. O senador pediu ainda a aprovação de um voto de pesar da Casa à família do oposicionista cubano Orlando Zapata - que morreu nesta quarta-feira, 24, depois de 85 dias de greve de fome. A morte foi confirmada no mesmo dia em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitava Cuba.

 

Para os governos dos Estados Unidos, Alemanha, França, Inglaterra e Russia, o anúncio de Ahmadinejad de que as usinas iranianas enriquecerão o urânio a 20% foram interpretadas por algumas autoridades estrangeiras como uma ameaça. Para elas, o governo do Irã poderia ter no seu programa nuclear projetos para a construção de armas e bombas.

 

O presidente Ahmadinejad nega as acusações. Amorim reitera que é necessário buscar o diálogo entre as Nações Unidas e o governo do Irã. Em novembro de 2009, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu o presidente iraniano, em Brasília. O encontro foi criticado por vários setores da sociedade brasileira e no exterior.

 

Além da aprovação do convite a Amorim, o senadores querem ainda um encontro com a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, na próxima quarta-feira, 3, quando ela estará em Brasília. A solicitação será feita pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores, Eduardo Azeredo (PSDB-MG), à Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. O pedido foi encaminhado pelo senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

Mais conteúdo sobre:
SenadoIraprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.