Senado barra seguranças da Presidência que escoltavam Renan

Horas depois de assumir interinamente a Presidência da República, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) passou por momentos de constrangimentos no próprio Senado Federal. Por determinação do vice-presidente do Senado, senador Tião Viana (PT-AC), os seguranças do Planalto foram impedidos de entrar no prédio do Senado, onde foi realizado, no plenário, uma sessão comemorativa aos 180 anos da Casa. Cerca de 15 seguranças da Presidência da República foram barrados na portaria e só puderam entrar quatro agentes encarregados de acompanhar o senador. Renan Calheiros procurou minimizar o fato, afirmando que sua interinidade é brevíssima. "Eu vou exercer a interinidade com a maior discrição, eu não preciso nem de segurança", disse. Em seu discurso na sessão, Renan Calheiros aproveitou para abordar a questão ética. Ele citou palavras do senador José Sarney (PMDB-AP), para quem o Parlamento não pode ter nenhum arranhão nos procedimentos éticos.Segundo Renan, esse alerta do ex-presidente do Senado, "mais do que nunca, se faz atual diante da crise "em que o País está mergulhado. E concluiu: "A solidez da democracia em nenhum momento foi abalada mesmo com a avalanche de denúncias que surpreenderam e indignaram o País."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.