Senado aprova pedido de informações sobre voos da FAB

Ministério da Defesa tem até 30 dias para detalhar transporte de autoridades em aviões oficiais

Ricardo Brito, Agência Estado

11 de julho de 2013 | 16h10

Brasília - A Mesa Diretora do Senado aprovou nesta quinta-feira, 11, o pedido do líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), para que o ministro da Defesa, Celso Amorim, detalhe informações de transporte de autoridades e demais passageiros em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). Amorim tem 30 dias para responder ao requerimento.

Segundo o pedido do tucano, nos últimos dias a imprensa divulgou "a malversação do uso do dinheiro público em mais uma modalidade de serviço público". "Os presidentes do Poder Judiciário e do Poder Legislativo, assim como da presidente da Câmara dos Deputados, utilizaram os aviões da FAB para o cumprimento de compromissos que a opinião pública não aceitou como oficiais, dada a natureza das atividades. No caso dos representantes das Casas legislativas, os episódios levaram a uma declaração pública de restituição de valores aos cofres públicos", afirmou ele, no pedido.

Ferreira pede que o ministério responda a sete perguntas. Entre elas, quantos voos com aviões da FAB foram realizados com base no Decreto 4.244/2002 (que disciplina o uso de aeronaves oficiais), quais os destinos e quais autoridades estiveram nesses voos.

Na segunda-feira, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), avisou que apoiaria o pedido do tucano. "Quero, de pronto, dizer que eu defendo e apoio a aprovação do requerimento", disse Renan, ao lê-lo em plenário. Renan se valeu de um avião da FAB para ir ao casamento da filha do líder do PMDB na Casa, Eduardo Braga (AM).

A viagem foi revelada em reportagem do jornal Folha de S.Paulo na edição de quinta-feira passada. No dia da divulgação, Renan avisou que não iria devolver os recursos, mas, um dia depois, decidiu restituir R$ 32 mil aos cofres públicos decorrentes do voo de ida e volta para o evento ocorrido no litoral baiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.