Senado aprova indicação de Rodrigo Janot para a PGR

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira, 10, a indicação do subprocurador Rodrigo Janot para comandar a Procuradoria-Geral da República pelos próximos dois anos. Em votação secreta, Janot recebeu 60 votos favoráveis, quatro contrários e nenhuma abstenção. O cargo está vago desde 15 de agosto, quando o ex-titular Roberto Gurgel deixou o posto, que comandou por quatro anos.

Ricardo Brito, Agência Estado

10 de setembro de 2013 | 19h09

Desde então, a chefia da Procuradoria está sendo conduzida interinamente pela subprocuradora Helenita Accioli, vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF). Ela tem sido responsável por acompanhar o julgamento dos recursos do processo do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF).

Senadores fizeram questão de elogiar em plenário as qualidades do novo procurador-geral da República, entre elas a iniciativa dele de criar uma Secretaria de Relações Institucionais para cuidar da relação do órgão com outras autoridades. "Na sabatina, ele mostrou que buscará um grande entendimento entre os poderes", afirmou o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), que foi relator da indicação na Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

Janot foi o mais votado na lista tríplice feita no dia 17 de abril pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) para ocupar a chefia do Ministério Público Federal. Ele alcançou 511 votos, seguido pelas subprocuradoras Ela Wiecko, com 457, e Deborah Duprat, 445. A subprocuradora Sandra Cureau teve 271 votos e não entrou na lista.

A presidente Dilma Rousseff, contudo, só indicou Janot quatro meses depois de ter recebido a lista, já após o fim do mandato de Roberto Gurgel. Mesmo tentada a indicar uma mulher, Dilma seguiu a tradição desde o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de escolher sempre o primeiro da lista feita pela ANPR — por lei, não há qualquer obrigação do chefe do Executivo Federal de levar em conta os nomes escolhidos pela associação.

O escolhido para comandar a PGR terá como encargo cuidar de casos criminais de destaque, como possivelmente a conclusão do julgamento do mensalão e o mensalão mineiro.

Mais conteúdo sobre:
SenadoPGRRodrigo Janot

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.