Senado anula ato que dava a líderes 3 assessores nos Estados

Servidores que estão nos Estados deverão retornar a Brasília para não perder o salário ou o emprego

Agência Brasil,

29 Outubro 2009 | 21h21

 A Mesa Diretora do Senado recuou nesta quinta-feira, 29, e anulou o ato que permitia aos líderes partidários e integrantes da direção da Casa manter até três funcionários comissionados em seus respectivos Estados.

Por ocupar o cargo de líder partidário, o senador tem direito a um determinado número de cargos de acordo com o tamanho da bancada de seu partido. O ato, revogado nesta quinta, permitia que o líder ou integrante da Mesa - que também tem direito a cargos extras - deslocasse até três servidores para sua base eleitoral.

Na prática, o servidor prestava serviço para o senador no Estado, mas era lotado na liderança do partido em Brasília. De acordo com a assessoria de comunicação do Senado, com a publicação da medida no Diário do Senado, os servidores que estão nos estados deverão retornar a Brasília, sob pena de ter o salário suspenso ou perder o emprego.

Segundo o primeiro-secretário do Casa, Heráclito Fortes (DEM-PI), alguns líderes discordaram do ato, o que levou a Mesa a revogá-lo. Antes do desse ato, porém, era permitido a lotação servidores nos Estados sem limite.

Mais conteúdo sobre:
Senado Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.