Senado: aberto inquérito sobre violação de votos

O primeiro secretário do Senado, Carlos Wilson (PPS-PE), assinou hoje, em Recife, a portaria que determina a abertura do inquérito para apurar a denúncia de suposta violação do sistema de votação eletrônica do Senado, levantada em reportagem da última edição da revista IstoÉ. A reportagem baseia-se em suposta gravação de conversa do senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) com três procuradores da República, na qual o senador teria dito possuir a lista dos colegas que votaram contra e a favor da cassação do então senador Luiz Estevão (PMDB-DF). Carlos Wilson assinou também a portaria que cria a comissão de inquérito administrativo destinada a investigar suposto vazamento de documentos bancários e telefônicos sigilosos de Luiz Estevão, para a imprensa. O acusado é o secretário de Comunicação do Senado nas gestões de Magalhães e de José Sarney, o jornalista Fernando César Mesquita. O procurador Luis Francisco de Souza, suspeito de ser o autor da gravação, promete para amanhã novas revelações sobre o episódio. Segundo pessoas ligadas ao procurador, ele deverá deixar a postura de "nada a declarar" que vem adotando atualmente. "Se houve ou não a fita, isso é irrelevante, mas uma nota na próxima semana irá esclarecer mais sobre o assunto", informou Francisco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.