EFE/Antonio Lacerda
EFE/Antonio Lacerda

'Sempre estaremos ao seu lado, firmes na luta', dizem governadores em carta para Lula

Políticos foram impedidos pela Justiça de visitar o ex-presidente na sede da Polícia Federal em Curitiba

Igor Moraes, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2018 | 17h53

Em carta endereçada ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, governadores e senadores lamentaram não poder encontrá-lo pessoalmente, mas declararam estar "firmes" ao lado do petista. O grupo, que visitaria Lula em Curitiba nesta terça-feira, 10, foi barrado pela juíza Carolina Moura Lebbos, da Vara de Execuções Penais de Curitiba.

++ Justiça Federal abre execução da pena de Lula

++ Advogado diz que ficou 'perplexo' com argumento do PEN para retirar ação do STF

"Estivemos aqui e sempre estaremos. Ao seu lado, firmes na luta. Infelizmente, a Lei de Execução Penal não foi cumprida adequadamente e não podemos abraçá-lo pessoalmente", diz a carta. "Mas, por nosso intermédio, milhões de brasileiros e brasileiras estão solidários e sendo a sua voz por um Brasil justo, democrático, soberano e livre. Lula Livre!!", continua. Uma imagem do texto foi publicado pela senadora Gleisi Hoffmann no Twitter.

O texto foi assinado pelos senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Roberto Requião (PMDB-PR); pelos governadores Camilo Santana (PT-CE), Ricardo Coutinho (PSB-PB), Wellington Dias (PT-PI), Tião Viana (PT-AC), Waldez Góes (PDT-AP), Renan Filho (PMDB-AL), Paulo Câmara (PSB-PE); pelo presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Gervásio Maia (PSB) e pelo ex-deputado Márcio Macedo, um dos vice-presidentes do PT.

++ ‘Jurisprudência não se muda ao sabor do acaso’, diz Moro

Na tarde de hoje, a juíza Carolina Lebbos negou um pedido do senador Requião para que ele e outros políticos visitassem Lula, condenado e preso na Lava Jato desde o último sábado, 7, em uma Sala Especial na sede da Polícia Federal em Curitiba. De acordo com a magistrada, "não há fundamento para a flexibilização do regime geral de visitas próprio à carceragem da Polícia Federal".

No despacho, a juíza destacou ainda um trecho da ficha individual do apenado, referindo-se à decisão do juiz Sérgio Moro que mandou prender Lula. "Além do recolhimento em Sala do Estado Maior, foi autorizado pelo juiz a disponibilização de um aparelho de televisão para o condenado. Nenhum outro privilégio foi concedido, inclusive sem privilégios quanto a visitações, aplicando-se o regime geral de visitas da carceragem da Polícia Federal, a fim de não inviabilizar o adequado funcionamento da repartição pública, também não se justificando novos privilégios em relação aos demais condenados”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.