Semeghini: Alckmin quer informatizar serviço público

O futuro secretário de Gestão Pública de São Paulo, deputado reeleito Júlio Semeghini (PSDB-SP), disse que o objetivo da pasta será reduzir custos, elevar a eficiência, aumentar a transparência e melhorar a qualidade dos serviços para a população, principalmente nas áreas de segurança, saúde e educação. "Alckmin quer um padrão de serviços igual e o melhor possível em todas as secretarias com o uso máximo de tecnologia no sentido de assegurar essa relação com a sociedade de uma maneira mais moderna, por meio de redes sociais. Queremos integrar, aproximar o governo da população e universalizar o serviço público", afirmou.

ANNE WARTH, Agência Estado

30 Dezembro 2010 | 16h37

Semeghini disse que quer ampliar o número de serviços eletrônicos oferecidos pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran). "O governador fez uma série de recomendações e mudanças sobre o Detran", afirmou. Cerca de 1,3 mil policiais e delegados devem deixar o órgão, que será administrado pela Secretaria de Gestão Pública, e ser transferidos para a Secretaria de Segurança Pública (SSP).

"Esse plano será feito e concluído de tal maneira que esses profissionais possam se dedicar à segurança pública. Isso deve ser feito com tranquilidade. Estamos discutindo a formação de uma equipe que vai cuidar dessa transição para que não haja nenhum prejuízo ao cidadão."

A ideia, segundo ele, é criar um novo padrão de atendimento à população no Detran, como é feito no Poupatempo, que também passará por mudanças, com a informatização dos serviços que atualmente são feitos apenas presencialmente, com o uso de tecnologias e assinatura digital.

"O governador também determinou que a gente crie esse mesmo ambiente de facilidade de atendimento ao cidadão para aqueles que quiserem abrir uma empresa. Vamos articular com os outros Poderes municipais e federal para que a gente possa ter um Poupatempo para as empresas", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.