Semana não foi boa para ninguém, diz Múcio sobre escândalos

Após se reunir com Lula nesta sexta, ministro admite incômodo coletivo com episódios no STF e na Câmara

Tânia Monteiro, da Agência Estado,

24 de abril de 2009 | 15h10

Depois de analisar os últimos episódios na Câmara dos Deputados e no Supremo Tribunal Federal, a avaliação do governo é de que "não foi uma boa semana para ninguém". Foi como o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, resumiu a conclusão do grupo de coordenação política, que se reuniu nesta sexta-feira, 24, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Veja também:

linkDeputados querem investigar suposto esquema de passagens

especialVeja a cronologia do escândalo das passagens no Congresso

video Íntegra da discussão e vídeo do bate-boca

forum Enquete: Quem tem razão no bate-boca?

linkDiscussão com ministro no STF está superada, diz Mendes

 

O presidente, segundo José Múcio, lamentou os episódios que tomaram conta Câmara dos Deputados, referentes ao uso de cotas de passagens aéreas. Segundo o ministro, o consenso é de que esse assunto deve ser encerrado o quanto antes. Ele admitiu que há um incômodo coletivo com esses episódios e comentou que conversou ontem com os líderes partidários sobre a questão. Segundo o ministro, todos entendem que a posição na Câmara deveria ser a mesma tomada pelo Senado de que a passagem aérea deveria ser liberada só para o parlamentar.

 

Como deputado, José Múcio defende que é necessária a criação de novas regras como a colocação das contas na internet, para que as pessoas vejam o que um deputado faz e o que não faz. Apesar da resistência de alguns parlamentares, contra a mudanças de regras José Múcio defendeu as novas propostas, porque "os tempos mudaram, e o nível de informação da sociedade é absoluto e não se aceita mais a forma como era antes". Sem entrar no mérito do que é certo ou errado, José Múcio destacou que "o importante agora é que tem que virar a página e construir uma coisa nova".

 

O ministro condenou a venda de cotas de passagens aéreas da Câmara a empresas de turismo, como foi denunciado. "Isso é um crime e é claro que deve ser punido. Isso não pode", afirmou.

 

Na reunião de coordenação, o presidente, segundo José Múcio também lamentou o bate-boca ocorrido no Supremo Tribunal Federal entre os ministros Gilmar Mendes (presidente da Casa) e Joaquim Barbosa. "São dois amigos; é um outro Poder", resumiu José Múcio.

 

Ainda na reunião, o presidente Lula fez um relato da viagem a Trinidad e Tobago, para a reunião da Cúpula das Américas. O presidente comentou sobre o clima fraternal da reunião e elogiou a postura do novo presidente dos Estados Unidos, que inaugurou uma nova relação com os países da América Latina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.