Sem-terra voltam a invadir fazenda na Bahia

Cerca de 350 famílias ligadas ao Movimento dos Sem-Terra (MST) voltaram a ocupar nesta segunda-feira a usina de açúcar Itapetingüi, que está abandonada e fica às margens da rodovia BR-324, em Amélia Rodrigues, a 70 quilômetros de Salvador. Eles já invadiram o local várias vezes nos últimos meses e são sempre obrigados a deixar a propriedade por ordens de reintegração de posse impetradas na Justiça pelo proprietário Roberto Falcão.A penúltima ocupação ocorreu no início de março, mas os sem-terra saíram da propriedade no mesmo dia, temendo a nova lei que proíbe a inclusão de áreas invadidas no programa de reforma agrária.Segundo os sem-terra, o processo de desapropriação da usina está atrasado, e o escritório regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) não estaria se esforçando para resolver o problema.Fechada há mais de oito anos, a usina foi escolhida como "alvo" durante a marcha dos trabalhadores rurais baianos entre Feira de Santana e Salvador, em abril de 2002. Eles decidiram na época ocupar a usina e permanecem na região até hoje, entrando e saindo do local.Quando são retirados pela Polícia Militar, montam acampamento num terreno próximo, esperando nova oportunidade para invadir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.