Sem-terra voltam a fechar estradas em MS

Manifestantes reforçam protesto contra mudança no comando do Incra e bloqueiam 6 pontos de 3 rodovias

João Naves de Oliveira e Sandro Villar, O Estadao de S.Paulo

29 de janeiro de 2008 | 00h00

Sem-terra e assentados pela reforma agrária em Mato Grosso do Sul realizaram ontem novos bloqueios nas principais rodovias que cruzam o Estado. Além do Movimento dos Sem-Terra (MST), participaram das manifestações outras quatro entidades, todas contra a substituição do superintendente regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Luiz Carlos Bonelli.A direção nacional do Incra em Brasília não confirmou a saída de Bonelli, mas o senador Valter Pereira de Oliveira (PMDB-MS) garante que ele será substituído pelo professor Flodoaldo Alencar Alves, filiado a seu partido e membro do Movimento Nacional dos Produtores (MNP). "Há um ano indiquei Flodoaldo para o cargo e não vou desistir dessa nomeação", afirmou o senador.O coordenador da Federação da Agricultura Familiar (FAF), Paulo Cezar de Farias, promete não deixar o indicado do peemedebista assumir o cargo. "Vamos invadir o Incra em todo o Estado, assim que sair a nomeação desse homem", disse Farias. O MST e a CUT-Rural já manifestaram apoio à mobilização em nota distribuída à imprensa e, ontem, juntamente com as demais organizações, mostraram mais força em relação aos bloqueios organizados na sexta-feira. Mais de 3 mil pessoas bloquearam 6 pontos nas rodovias BR-163, BR-262 e BR-267, no extremo sul e no leste do Estado, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal. Na sexta-feira o número de participantes nesses protestos era de aproximadamente 1.500.Os bloqueios foram iniciados por volta de 7 horas e terminaram no início da tarde. Foram distribuídos pelotões de choque da Polícia Militar em pontos estratégicos. Um único conflito ocorreu às 13 horas, quando sem-terra resolveram retomar o bloqueio na BR-163, distrito de Anhanduí, em Campo Grande. Policiais militares utilizaram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar os 300 manifestantes. Dez sem-terra foram presos e liberados em seguida.O senador Valter Oliveira disse que a movimentação não mudará nada. "O motivo que segura Bonelli no cargo é que ele consegue assentar 150 famílias onde só cabem 50. Essa mágica está encantando a direção nacional do Incra. Bonelli vai cair e o professor Flodoaldo será nomeado em seu lugar nos próximos dias. É um processo sem volta", afirmou.Bonelli, que estava em férias, retornou ontem ao trabalho. Ele alegou que ainda não tem informações para se manifestar sobre o assunto.PONTALSem-terra que invadiram a Fazenda São João, em Teodoro Sampaio (SP), tombaram ontem dois hectares de pasto e plantaram milho e feijão. A fazenda, de 308 hectares, foi ocupada no sábado por cerca de 200 pessoas para, segundo a coordenação regional do MST, protestar contra a lentidão do governo do Estado na execução da reforma agrária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.