Sem-terra protestam contra o Itesp no Pontal

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Pontal doParanapanema está fazendo uma manifestação pública contra o Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp).Desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira integrantes do MST estão em frente às agências do Itesp em Teoodoro Sampaio, no Mirante do Paranapanema e Presidente Bernardes.Ao todo são cerca de 300 pessoas, que devempermanecer nos locais até o fim da tarde desta sexta-feira. O grupo maior está em Teodoro Sampaio, com 130 manifestantes, pedindo a liberação de recursos para novos assentamentos.Em boletim distribuído à imprensa, o MST do Pontal acusa o Itesp de não prestarassistência técnica adequada aos assentados, de motivar a venda de lotes e deincentivar o plantio de cana-de-açúcar.Diz ainda que o Itesp está permitindo retornar aoscofres públicos da União R$ 29 milhões destinados à compra de terras no Pontal para fins de reforma agrária. Culpam o coordenador do Itesp Jonas Vilas Boas e pregam novas invasões, com a seguinte frase no final do boletim: "Chega de humilhação, ocupação é a solução".O MST diz que em 12 anos de luta do Pontal do Paranapanema obteve inúmeras conquistas, resultando no assentamento de mais de 20 mil pessoas. Afirma que nos últimos quatro anos são mais de 1.500 famílias acampadas, das quais "somente" 65 foram assentadas pelo Estado. "O restante continua às margens de estradas, acampados sob barracos de lonas e enfrentando o sol escaldante, a chuva, a fome e ascarabinas dos fazendeiros."O líder sem-terra do Pontal, José Rainha Junior, adotou a "lei do silêncio" e está recolhido emsua casa por decisão do comando do MST. É que Rainha esteve preso preventivamente. Foi libertado por habeas-corpus. Responde a processo por formação de quadrilha, furto, danos qualificados e constrangimento ilegal.Sua mulher, Diolinda Alves de Souza, também prefere não falar. Coordenadores do MST no Pontal seguem os líderes.A regional do Itesp em Presidente Prudente, a cidade sede de região, esteve fechada nesta quarta. Não se sabe o motivo. O responsável técnico pelo Itesp em Teodoro Sampaio,Ibrahin Jorge Filho, prefere não falar sobre o assunto. A manifestação é pacífica, massinaliza possíveis invasões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.