Sem-terra ocupam sede do Incra em Recife

Um grupo com cerca de 200 integrantes do Movimento Terra Trabalho e Liberdade (MTL) ocupou, na tarde desta terça-feira, a sede do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no Recife. De acordo com a coordenação do movimento, os sem-terra ficarão no local até que seja realizada uma reunião com a superintendente Maria de Oliveira. O MTL quer que o Incra acompanhe as investigações policiais sobre o assassinato de um de seus integrantes, ocorrido ontem, no município do Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife. O agricultor José de Jesus Freire, 36 anos, foi morto a tiros durante uma emboscada, nas terras do Engenho Olinda Velha. Em depoimento à Polícia Civil testemunhas afirmam que o crime foi cometido por um grupo ligado ao Movimento Trabalho e Progresso, que disputa com o MTL a posse de várias áreas na região. Um dos líderes do MTP, Matuzalém Félix, teria sido o autor dos disparos que matou José Jesus.O coordenador estadual do MTL, Maurício Lira, denuncia a existência de supostos privilégios do MTP junto ao Incra. A assessoria do Incra nega as acusações. No ano passado, o MTL e o MTP travaram diversas disputas públicas pela posse do engenho Olinda Velha, de 188 hectares. A ouvidora agrária do Incra em Pernambuco, Elizabeth Rafael, visitou o local de conflito na manhã de ontem e mostrou-se preocupada com o nível de tensão na área.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.