Sem-terra ocupam sede do Incra em Cascavel no Paraná

Cerca de 150 integrantes do MLST reivindicam assentamento de 450 famílias e distribuição de cesta básica

MIGUEL PORTELA, Agencia Estado

10 Setembro 2007 | 15h48

Cerca de 150 integrantes do Movimento de Libertação do Sem Terra (MLST) ocupam desde a manhã desta segunda-feira, 10, o escritório avançado do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Cascavel, a 500 quilômetros de Curitiba. Os sem-terra reivindicam o assentamento de 450 famílias, celeridade na reforma agrária e distribuição de cesta básica.A ocupação do Incra começou por volta das 7h30, quando os sem-terra bloquearam os portões de acesso e impediram a entrada dos servidores e estagiários. Inicialmente, apenas a chefe da unidade local, Fiorinda Martins Pezzatto, e mais dois funcionários tiveram acesso ao interior do prédio. Por volta das 9h30, os manifestantes liberaram os portões aos demais trabalhadores em troca do uso de banheiros e água."O nosso protesto é contra a demora do Incra em assentar as famílias acampadas há mais de cinco anos na região", afirma Silvana Silva, uma das líderes do MLST. O movimento controla dois acampamentos de sem-terra na região de Cascavel com cerca de 450 famílias. Eles também querem a liberação das cestas básicas. A distribuição, segundo o Incra, está atrasada há três meses por causa da recente greve dos servidores do órgão federal."Vamos permanecer aqui até que o Incra dê uma resposta sobre as nossas reivindicações", diz Silvana. Uma reunião entre representantes do MLST e da superintendência estadual do Incra, em Curitiba, vai discutir a pauta de reivindicação dos sem-terra. Por conta da ocupação da unidade de Cascavel, o expediente ao público foi suspenso hoje.

Mais conteúdo sobre:
Reforma AgráriaMLST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.