Sem-terra ocupam fazenda de embaixador

Cerca de 500 pessoas ligadas ao Movimento Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) invadiram hoje à tarde parte da fazenda Renascença, do embaixador Paulo Tarso Flecha de Lima, em Uruana, Minas Gerais. As familia entraram na propriedade por volta da 16 horas, mas até as 18h30 a Polícia Militar ainda vigiavam a frente da fazenda e não sabiam da ocupação.Os sem-terra e assentados entraram na fazenda pela parte lateral, sem derrubar a cerca, a 800 metros da entrada principal onde está a PM. Os manifestantes caminharam cerca de 500 metros e montaram dezenas de barracas de lona em uma área de mata perto do riacho conhecido como Buritizeiro.A fazenda tem 9.600 hectares, 5.500 deles produzindo grãos, 3 mil usados na pecuária - criação de 2.500 cabeças de gado - e uma parte de mata. O embaixador emprega 120 pessoas e é responsável por 10% da arrecadação do município de Uruana.Segundo o líder do MST, Gilmar de Oliveira, as famílias só sairão da área quando o ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, atender a uma pauta de 15 itens que eles vêm negociando com o governo. "A invasão foi silenciosa, não houve reação, até porque nem a polícia estava sabendo", afirmou Oliveira.Na quinta-feira passada uma comissão do MST foi recebida no Incra, em Brasília, onde apresentou uma pauta de reivindicações com 15 itens. O Incra exigiu o desmonte do acampamento, como os manifestantes não aceitaram a exigência, a nova reunião, prevista para quarta-feira, foi suspensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.