Sem-terra ocupam fábrica desativada em Goiás

Cerca de 450 pessoas invadiram na manhã de hoje uma fábrica de óleos vegetais desativada em Trindade, na Grande Goiânia. Os manifestantes são ligados a entidades como o Movimento de Luta Socialista (MLS), Movimento dos Trabalhadores Rurais SemTerra (MST), entre outros.No fim da tarde, o juiz substituto de Trindade concedeua reintegração de posse aos proprietários da fábrica, mas osmanifestantes insistem em ficar no local por tempoindeterminado. "Estamos preparados para resistir", disse olíder do MST José Valdir Miesnerovicz. "Queremos que sejaesclarecida a história da venda dessa fábrica e porque osdireitos dos ex-empregados não foram pagos."Os invasores alegam que a fábrica foi construída há seteanos com recursos do BNDES e financiamento do Banespa. Elescontam que a fábrica funcionou por poucos meses e acaboudesativada. Cento e vinte trabalhadores teriam perdido o emprego sem receber direitos trabalhistas. "É uma vergonhaque milhões de pessoas fiquem paradas enquanto o governo federalfinancia projetos como esse", disse o líder da ocupação."Queremos que a fábrica volte a funcionar como uma cooperativade trabalhadores, o que vai ajudar a escoar a produção dosassentamentos do MST." A polícia cercou o local e cortou ofornecimento de energia. Até as 19 horas de hoje, a ocupaçãopersistia, com os invasores prometendo resistir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.