Sem-terra mantêm invasão e fazem passeata na BA

Os trabalhadores rurais sem-terra que ocupam a Usina Itapetingui, no município de Amélia Rodrigues, a 80 quilômetros da capital baiana, disseram que não pretendem sair do local, mesmo após a liminar de reintegração de posse concedida pelo juiz Pablo Stloze Gagliano, na noite de ontem, atendendo a pedido do advogado dos proprietários, Marcelo Valois. A Policia Militar já foi comunicada para proceder a desocupação mas até esta tarde a operação não havia sido realizada. Na Bahia, o MST vem evitando confrontos com a PM. Quando os policiais chegam com os mandados de reintegração de posse, apesar das ameaças de resistência, os sem-terra acabam desocupando as terras invadidas pacificamente. Enquanto 1.800 sem-terra permaneciam na Usina Itapetingui, um grupo de trabalhadores que está em Salvador assistiu missa pela passagem do 6º aniversário do massacre de Eldorado dos Carajás e realizou uma passeata pelo centro de Salvador, pedindo "Justiça". Eles encerraram o ato no Terreiro de Jesus, centro histórico, onde montaram uma feira de produtos agrícolas trazidos dos assentamentos do interior baiano. O governador Otto Alencar (PL) anunciou que o Estado vai aplicar recursos da ordem de R$ 5,6 milhões para programas de infra-estrutura e apoio agrícola nos assentamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.