Sem-terra invadem sede do Incra no Pontal do Paranapanema

Manifestantes protestam contra falta de assistência técnica nos assentamentos do MST

José Maria Tomazela, de O Estado de S. Paulo,

09 de junho de 2009 | 15h37

Integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) invadiram na manhã da terça-feira (9) a sede do núcleo de apoio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Rancharia, no Pontal do Paranapanema, oeste do estado de São Paulo.

 

Os 50 militantes que se instalaram nas dependências do órgão levaram sacolas de roupas e alimentos. No dia anterior, a sede do Incra em Teodoro Sampaio já havia sido invadida e desocupada como parte da jornada nacional do MST em defesa do Pronera, o Programa de Educação da Reforma Agrária.

 

A nova ação, no entanto, é também um protesto contra a falta de assistência técnica nos assentamentos, segundo o líder Luciano de Lima. "Técnicos que atendiam os assentados foram transferidos", reclamou Lima, referindo-se à falta de atendimento nos seis assentamentos instalados em Rancharia, Martinópolis, Iepê e João Ramalho.

 

O MST quer também a retomada das vistorias visando à desapropriação de áreas para a reforma agrária. "Apontamos várias fazendas improdutivas, mas o Incra não vistoriou", declarou o líder. Lima alegou ainda que o fornecimento de cestas básicas para cerca de 300 famílias acampadas na região está suspenso desde dezembro. Segundo ele, os sem-terra mostravam disposição de permanecer no local até que a superintendência do Incra em São Paulo atenda as reivindicações do grupo.

Funcionários do órgão informaram que não houve interrupção ou redução na assistência dada aos assentados. O assentamento de Iepê ainda está em processo de estruturação.

Tudo o que sabemos sobre:
MSTIncrasem-terra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.