Sem-terra invadem sede do Incra em Mato Grosso do Sul

A sede do Instituto Nacional de Colonização Rural (Incra) em Dourados, a 220 quilômetros de Campo Grande e ao sul de Mato Grosso do Sul, foi invadida hoje por quase 500 sem-terra. O grupo ligado à Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag ), que estava acampado nas margens da rodovia BR-163, em Nova Alvorada do Sul, leste do Estado querem ser assentados em duas fazendas. Até o início da noite, o superintendente regional do Incra, Luís Carlos Bonelli, não havia chegado a um acordo com os manifestantes. Segundo eles, há seis anos consecutivosé esperada a liberação das fazendas São Roque e 3 M, situadas vizinhas ao acampamento. Os dois imóveis foram vistoriados e considerados próprios para o Programa Nacional de Reforma Agrária, cujo processo ainda tramita em Brasília. Também em Dourados, sem-terra ligados a Cut-Rural (Central Única de Trabalhadores Rurais), invadiram a Fazenda Caiçara, com 1.800 hectares. A ocupação aconteceu durante a madrugada de ontem, quando aproximadamente 600 trabalhadores rurais cortaram arames da cerca lateral do imóvel e armaram barracas de lona plástica no local. Hoje receberam notificação do juiz Waldir Peixoto Barbosa, de Caarapó, cidade vizinha a Dourados, fixando multa de R$ 5 mil, para cada dia de permanência dos invasores. ?Pedágio?O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), também protesto realizou protestos. Durante todo o dia, seus integrantes bloquearam o quilômetro 29 da rodovia de acesso entre Maracaju e Sidrolândia a 70 quilômetros de Campo Grande, para cobrar pedágio dos motoristas. O movimento foi feito por pouco mais de 100 homens, mulheres e crianças, sob a alegação de que a renda do bloqueio, será consumida em materiais escolares para os estudantes do acampamento que mantém no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.