Sem-terra invadem Monsanto e destroem transgênicos

Um grupo de três mil agricultores e trabalhadores do MST invadiu, destruiu e queimou nesta sexta-feira, em Ponta Grossa, no interior paranaense, cerca de mil metros quadrados com plantação de milho transgênico, de uma fazenda do grupo Monsanto, empresa norte-americana que desenvolve pesquisas com alterações genéticas de alimentos.O protesto durou cerca de 30 minutos. Um dos líderes do MST, Roberto Baggio, afirmou que a marcha faz parte de um novo momento na luta do MST. Segundo ele, as fazendas com transgênicos também passarão a ser invadidas e devem fazer parte da reforma agrária.A destruição do milho transgênico fez parte da 2ª Jornada de Agroecologia/Encontro Paranaense, que tem neste ano o tema "Terra Livre de Transgênicos e Agrotóxicos". Ao final do encontro foi redigida uma carta que será encaminhada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em que os agricultores pedem a erradicação dos alimentos modificados, assim como a proibição do comércio desses produtos no País. "O cultivo dos transgênicos é incompatível com a agricultura familiar", diz a carta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.