Sem-terra invadem fazenda em MS onde já houve conflito

Um grupo de 140 famílias de sem-terra ligado a CUT-Rural, invadiu a Fazenda São João hoje e começou a retirar do local 2.700 bovinos que ocupavam uma área arrendada por Nilson Riga Vitali. O tráfego foi interrompido por quase uma hora na BR-267 para passagem dos bois que foram transferidos para a Fazenda Princezinha do Anhandui, de propriedade de Vitali, conforme explicou Leonildo da Silva, um dos líderes dos acampados. A São João possui área de 3.500 hectares, está desapropriada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, o órgão já recebeu a posse mas o arrendatário entrou com ação, solicitando tempo necessário para a retirada dos animais. A Justiça aceitou o argumento e a posse foi suspensa. Leonildo disse também que com o gado na fazenda, haverá sempre a presença dos peões na fazenda, e o risco de novos conflitos.A área fica no município de Nova Alvorada do Sul, a 170 quilômetros de Campo Grande, onde no dia 21 deste mês, cinco jagunços empregados do arrendatário, fazendeiro de Presidente Prudente (SP), dispararam mais de 200 tiros de armas calibres 12 e 38 sobre as barracas dos acampados, instaladas em frente à fazenda, no momento em que os sem-terra estavam reunidos em outro lugar.Os atiradores estão presos na Delegacia de Polícia de Rio Brilhante, cidade vizinha de Nova Alvorada do Sul, aguardando decisão judicial o que será providenciado somente com o depoimento de Vitali. Segundo o titular da Delegacia Central de Polícia Civil em Nova Alvorada do Sul, Natanael Matías, disse que está aguardando a resposta da carta precatória que enviou para Presidente Prudente, com os devidos esclarecimentos do pecuarista. Como existem acusados presos, o delegado tem apenas 10 dias para concluiu o inquérito e enviar para a Justiça, prazo que terminar na próxima quarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.