Sem-terra incendeiam fazenda em Pernambuco

Ainda estava escuro, antes das 5 horas desta segunda-feira, quando cerca de 250 trabalhadores sem-terra armados com foices, facões, enxadas, estrovengas e pedaços de pau invadiram a sede do Engenho Prado, no município de Tracunhaém, a 65 quilômetros do Recife, e utilizando tochas e coquetéis Molotov, incendiaram quatro casas ? entre elas a casa-grande -, um galpão, 13 máquinas agrícolas ? seis carregadoras, seis tratores e uma retroescavadeira ? e 15 bombas pulverizadoras.O prejuízo foi estimado em aproximadamente R$ 1 milhão. Os 14 vigilantes do engenho e policiais militares que guardam o local há dois meses nada fizeram para barrar os trabalhadores. Pertencente à Usina Santa Teresa, do Grupo João Santos, o Engenho Prado é uma das áreas de conflito de terra mais antigas de Pernambuco. Tem cerca de 800 hectares e é reivindicado por 300 famílias que vivem em três acampamentos desde 1997.O ex-presidente Fernando Henrique chegou a assinar o decreto de desapropriação da área, mas o proprietário conseguiu anular o ato com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) e aguarda julgamento de ação de reintegração de posse. A ação envolveu cerca de 2 mil sem-terra de municípios da zona da mata e região metropolitana ligados ao Movimento dos Sem-Terra (MST), Comissão Pastoral da Terra (CPT) e Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetape) e incluiu arrancar a plantação de cana-de-açúcar que vem sendo cultivada desde março pela usina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.