Sem-terra fecham acordo com o ministério do Desenvolvimento Agrário

Um comboio do exército acaba de chegar a fazenda Córrego da Ponte, de propriedade do presidente Fernando Henrique Cardoso, em Buritis, Minas Gerais. A fazenda foi invadida na manhã do sábado por integrantes do Movimento dos Sem Terra (MST). Até o momento a segurança da fazenda vinha sendo feita pela Polícia Federal (PF) e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). O comboio tem mais de vinte caminhões com homens do exército, quatro ambulâncias e outros carros de menor porte do exército, PF e da PRF. Alguns caminhões carregam contêineres, provavelmente de água para abastecimento. Mas todo este aparato policial não foi usado já que, quase na mesma hora da chegada do comboio, o ouvidor agrário nacional, Gersino José da Silva Filho, que negociava com o MST desde as primeiras horas de sábado, anunciou que um acordo tinha sido fechado com os integrantes do movimento para a desocupação da fazenda do presidente. Segundo o ouvidor, na próxima segunda-feira será editada uma portaria pelo ministério do Desenvolvimento Agrário para a compra da fazenda Barriguda, de 4.800 hectares, que também fica no município de Buritis. Está era uma das reivindicações do MST para deixar o local. Ficou acertado também que os demais pedidos do movimento serão negociados a partir de agora. Dentro de instantes os integrantes do MST deixarão a fazenda nos cinco ônibus que os trouxeram.Reunião: Uma comissão de 20 representantes do MST deverá se reunir daqui a pouco, em Buritis, com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, o presidente do Incra, Sebastião Azevedo e com o secretário da Reforma Agraria, Orlando Muniz. O ouvidor agrário disse que desde às 18h 00 de ontem, em função de um mandado judicial, os sem-terra eram acusados por crime de desobediência e caso a desocupação não acontecesse até às 6h00 de hoje, os invasores seriam retirados mediante o uso da força publica.Segundo o ouvidor, houve uma coincidência já que a portaria que garante a compra da fazenda Barriguda estava assinada desde a segunda-feira da semana passada. Entre as reivindicações pendentes está a solução de assentamento para os integrantes do movimento que são excedentes de outros assentamentos e assistência técnica e infra-estrutura para os já assentados. O ouvidor disse ainda que os principais fatores para o fim do impasse foi a garantia de uma audiência com o ministro Jungmann, o cerco da PF, o mandado de reintegração de posse da fazenda Córrego da Ponte e a garantia de que ninguém seria preso.A fazenda Córrego da Ponte é de propriedade dos filhos de Fernando Henrique e de um amigo pessoal da família, Jovelino Mineiro. A 60 km de Buritis e a cerca de 200 km de Brasília, a fazenda tem aproximadamente 1,3 mil hectares onde são criados gados das raças anglos e brangus e cultivada soja.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.