Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Sem-terra fazem protesto e impedem acesso à prefeitura

Um grupo formado por duzentos integrantes do MST Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) fizeram hoje um protesto no pátio da prefeitura de Tremembé, no Vale do Paraíba. Os sem-terra caminharam por 8 quilômetros pela rodovia "Floriano Rodrigues Pinheiro" (SP 123) até a prefeitura de Tremembé. A pista ficou parcialmente interditada mas não houve prejuízos ao trânsito. "Estamos há oito meses na luta por uma terra e até agora o Incra não fez nada", afirmou o líder do movimento no Vale do Paraíba, Valdemir Nascimento. Segundo o coordenador, a manifestação também pedia assistência das secretarias municipais de educação e saúde às crianças e aos idosos do acampamento. "As crianças precisam de creche e os adultos de saúde já que muitos são cidadãos de Tremembé". Ao chegarem na prefeitura houve resistência por parte de alguns vigias da prefeitura. Mesmo assim os manifestantes tomaram o pátio da prefeitura e trancaram o portão impedindo a passagem de funcionários e da população. O secretário de turismo Valdomiro da Silva que retornava à prefeitura também foi barrado pelos sem-terra e impedido de entrar. "Eu tenho muito o que fazer, muito pra resolver mas não posso entrar", lastimava o secretário. Diante da insistência dos sem-terra, que tiveram o apoio de sindicalistas, o prefeito Orozimbo Lúcio da Silva (PSDB) se reuniu com o líder do movimento por cerca de uma hora. Depois da reunião o prefeito afirmou que vai enviar ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) um pedido de urgência para a desapropriação de áreas da região. "O Incra tem que resolver isso logo e assentar essas famílias". Silva disse também que as secretarias de educação e saúde estão autorizadas a atender os sem-terra em suas necessidades. Ao final da reunião os manifestantes realizaram uma assembléia e encerraram o movimento. A assessoria de imprensa do Incra informou que o processo de desapropriação de áreas para futuros assentamentos é longo e demora no mínimo um ano e meio.

Agencia Estado,

21 de julho de 2003 | 17h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.