Sem-terra fazem manifestação diante do Palácio do Planalto

Um grupo de manifestantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) e de pequenos agricultores paralisou durante a toda tarde desta quarta-feira o trânsito de veículos em frente ao Palácio do Planalto e ameaçava dormir no local.Eles reivindicam audiência com o presidente Fernando Henrique Cardoso porque querem a renegociação de dívidas agrícolas num total de R$ 7 bilhões. Um grande aparato policial foi mobilizado para conter os manifestantes, incluindo 200 policiais militares, 20 homens da cavalaria, o batalhão de choque, com cães e armas que disparam balas de borrada, carros que atiram jatos d?água e bombas de fumaça, além de 50 homens da Polícia do Exército e mais de 50 seguranças palacianos.Esta é a terceira vez , neste mês de setembro, que esses agricultores fazem protesto em frente ao Planalto. A motivo maior de irritação foi o fato de o presidente ter recebido, na semana passada, representantes dos grandes produtores rurais em audiência no Palácio da Alvorada.O presidente alega que recebeu representantes do movimento tradicionalista do Rio Grande do Sul, em audiência com o ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, para uma conversa ?genérica?.Segundo o porta-voz, Georges Lamazière, o pedido dos pequenos agricultores foi transmitido ao ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, que aceitou recebê-los nesta quarta-feira à tarde.Parlamentares do PT tentaram negociar, por telefone celular, com Jungmann e outros ministros palacianos a presença de um representante da equipe econômica no encontro. Diante da negativa do ministro em dizer quem seria tal pessoa, os manifestantes mantiveram a manifestação.Uma comissão de agricultores foi até o presidente do Senado, Ramez Tebet (PMDB-MS), pedir apoio. Segundo a Polícia Militar, eram cerca 400 manifestantes. Carregando bandeiras do MST e da Contag, eles chegaram ao Planalto por volta de 14h, dispostos a seguir até o Palácio da Alvorada, onde estava naquele momento o presidente. A polícia impediu a passagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.