Sem-terra desocupam sede da fazenda e montam acampamento

Os trabalhadores sem-terra que invadiram a fazenda da família do presidente Fernando Henrique Cardoso deixaram a sede da propriedade e montaram acampamento a 300 metros da casa. A informação é da assessoria do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que revela ainda permanecerem 200 sem-terra dentro da propriedade. Durante o dia, eles tinham ocupado a sala onde o presidente costuma descansar com a família e até chegaram a entrar no quarto onde ele e a mulher Ruth Cardoso dormem. Mas, de acordo com a assessoria do ministério, os sem-terra não teriam mexido em nenhum dos objetos pessoais do presidente. O ouvidor agrário nacional, Gersino José da Silva, está neste momento negociando com os sem-terra. Se os invasores saírem da fazenda, o próprio ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, irá pessoalmente a Buritis para conversar com os manifestantes. Por sua vez, o MST diz que só deixa a fazenda se os agentes da Polícia Federal abandonarem antes o local. Os cinco ônibus que levaram os sem-terra também continuam dentro da fazenda, carregados com comida que seria suficiente para 30 dias.Apesar de o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Alberto Cardoso, ter informado no fim da tarde que fuzileiros seriam deslocados para Buritis, até agora não há o menor sinal do Exército. O deputado distrital do PT por Brasília, Wasny de Roure, está na porta da fazenda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.