Sem-terra denunciam pistoleiros por mortes e seqüestro no Pará

Trabalhadores rurais sem-terra que ocupam duas fazendas em São Félix do Xingu, no sul do Pará, denunciaram hoje as mortes por pistoleiros dos lavradores Mauro Xavier dos Santos e José, conhecido por Ceará, ferimentos em outros dois e o desaparecimento dos agricultores Ronivaldo dos Santos e Valdir. Os crimes, segundo relato de sobreviventes à Comissão Pastoral da Terra (CPT) e ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São Félix do Xingu, foram praticados por homens armados da Fazenda Japonesa e Vila Karapanã, onde vivem 200 famílias."Um fazendeiro conhecido por dr. Lazir, que se diz dono da Fazenda Japonesa, é acusado pelos trabalhadores ter ordenado a desocupação à bala da área de 6 mil hectares pelos pistoleiros. Ele não foi localizado em São Félix para se defender da acusação. "As mortes, ocorridas dias 29 e 1º últimos só agora foram comunicadas às autoridades, porque homens armados impediam a saída dos trabalhadores das áreas de difícil acesso onde eles vivem. Partes dos corpos das vítimas que não foram devorados por animais ainda estariam na floresta à espera de remoção pelo Instituto Médico Legal. "A Comissão Pastoral da Terra de Xinguara e entidades de direitos humanos afirmam em nota que o clima é de terror na região. Grupos de pistoleiros contratados por fazendeiros estariam se impondo pela força das armas em São Félix, aproveitando-se da inércia da polícia paraense. Os fazendeiros alegam que apenas estão se defendendo de possíveis ataques em suas propriedades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.