Sem-terra deixam fazenda ocupada há 3 anos no Paraná

A Polícia Militar do Paraná conseguiu nesta terça-feira que as cerca de 800 famílias de sem-terra que invadiram, em agosto de 2003, a Fazenda Santa Terezinha, em Paranapoema, a 520 quilômetros de Curitiba, no noroeste do Paraná, começassem a deixar o local."Optamos por sair porque o mais importante é preservar as vidas", justificou o porta-voz dos sem-terra na região, Carlos Cardoso. "O comando policial queria fazer a ofensiva, mas nós temos 400 crianças de até 13 anos aqui." De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, em momento algum houve qualquer tentativa de violência.Na primeira tentativa de conversa pela manhã não houve avanço. Os sem-terra insistiam em permanecer e tentavam contatos políticos e religiosos para influenciar os cerca de 1.500 policiais. "Mas o governo optou pela truculência", acentuou Cardoso. "Sentimos que o clima estava ficando tenso e decidimos sair para avaliar a situação."Os sem-terra ganharam três dias para deixar a fazenda. Eles devem ficar no Assentamento Mãe de Deus, nas proximidades, aguardando uma resposta do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).A fazenda tem 570 hectares e pertence ao espólio de Mikio Maehara. O Incra tem interesse em adquiri-la e já conversou com alguns dos herdeiros, mas está havendo resistência. Segundo a assessoria do instituto, há outras propriedades na região que estão em fase mais adiantada de conversação. É possível que nos próximos meses já se consiga uma área definitiva para as famílias retiradas da Fazenda Santa Terezinha. Esta foi a terceira vez em que a PM esteve na fazenda para realizar o despejo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.