Sem-terra deixam fazenda da Embrapa

Os sem-terra que iniciaram ontem um protesto em frente à fazenda da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), não permitindo que os funcionários entrassem para o trabalho, deixaram pacificamente o local nesta quarta-feira. Eles receberam a promessa de serem recebidos nesta quinta-feira por representantes da Embrapa na sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Curitiba. Os sem-terra querem que uma parte da fazenda, de 2 mil hectares, seja cedida para a implantação de um assentamento. Os sem-terra estão ocupando aproximadamente 633 alqueires da propriedade, de uma parte que foi cedida em comodato ao Instituto Agronômico do Paraná (Iapar). A venda para o Incra já está acertada, mas faltam alguns documentos que a Embrapa está providenciando.A Embrapa utiliza a fazenda para pesquisas em sementes, sobretudo de soja. A orientação da coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) era para que não fosse realizada nenhuma manifestação nos laboratórios ou na sede da fazenda. Com a liberação da entrada, os 25 funcionários puderam retornar para recuperar o dia perdido ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.