Sem-terra decidem ir a Buritis

Os sem-terra e assentados ligados ao MST desmontaram hoje o acampamento na frente da fazenda Renascença, do embaixador do Brasil na Itália, Paulo Tarso Flecha de Lima, em Uruana. Eles ficaram 13 dias no local e marcaram assembléia para o dia 17 de abril, em Buritis (MG). Os sem-terra pretendem fazer uma caminhada de 65 quilômetros até a fazenda da família do presidente Fernando Henrique Cardoso.Um dos coordenadores nacionais do MST, Gilmar Mauro, admitiu que o MST recuou esta semana, ao desocupar a fazenda invadida e ao decidir pela retirada. "Às vezes, temos que dar um passo atrás para avançar", disse Mauro. O MST informou que foi marcada reunião com o Incra em Brasília, na próxima segunda-feira. Na semana passad o movimento entregou uma pauta de reivindicações com 15 itens ao Incra.Segundo a coordenação do MST, o Incra informou hoje, por fax, que vai atender a um ponto extra da pauta, a liberação de R$ 67 mil para o assentamento Mãe das Conquistas, em Minas.Mauro disse que os sem-terra ficaram irritados com a decisão do Incra de enviar a Uruana o coordenador da Superintendência Nacional de Desenvolvimento Agrário, Milton Amorim. O Incra tinha informado que o técnico daria explicações sobre o cronograma de atendimento das reivindicações, mas Amorim, na reunião com o MST, não demonstrou conhecimento sobre o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.