Sem-terra bloqueiam duas estradas em Minas

Cerca de 150 trabalhadores rurais sem-terra bloquearam duas estradas na cidade de Buritis, na região noroeste de Minas. A manifestação do grupo, intitulado ?Movimento Unidos Venceremos? ? uma dissidência do Movimento dos Sem-Terra (MST), que já se chamou ?Para a Terra? ?, teve início na noite de terça-feira. De acordo com a Polícia Militar de Buritis, até o início da noite desta quarta-feira, os sem-terra continuavam bloqueando com pneus, pedras e pedaços de madeira o trânsito nas rodovias MG-400 e a BR-030, em um trevo que dava acesso à cidades de Arinos e Cabeceira de Goiás. As estradas ligam o noroeste do Estado ao Distrito Federal.Segundo a ouvidora agrária nacional substituta, Maria de Oliveira, dois representantes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) se deslocaram para o local para se encontrar com os manifestantes. Esta era uma das exigências dos sem-terra para o fim dos bloqueios. O grupo estava a cerca de 60 quilômetros da Fazenda Córrego da Ponte, que pertence aos familiares do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Um dos coordenadores do sem-terra, Gildário Carlos Neri, disse que os manifestantes fazem parte de oito acampamentos na região. Segundo ele, os sem-terra cobram a emissão de títulos de posse de três fazendas, que já teriam sido desapropriadas há cerca de oito meses. Os acampados pedem também a liberação de cestas básicas para as famílias e de créditos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). A Ouvidoria do Ministério do Desenvolvimento Agrário informou que as emissões de posse das três propriedades na região dependem apenas de uma decisão da Vara de Conflitos Agrários de Belo Horizonte. Quanto às cestas básicas, a ouvidora substituta disse que as famílias precisam ainda serem incluídas no Programa Fome Zero. ?Essa ação dos assentados tem um objetivo muito claro que é fazer a estrutura governamental cumprir as prerrogativas operacionais do governo federal para que se resolva o problema dos cidadãos?, reclamou o prefeito de Buritis, padre José Vicente Damasceno (PPS). Segundo a PM, não havia congestionamento nas rodovias, pois os motoristas estavam utilizando um desvio de 10 quilômetros por uma estrada de terra. Somente ambulâncias e viaturas da polícia podiam passar pelas barreiras montadas pelos sem-terra.

Agencia Estado,

02 de julho de 2003 | 22h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.