Sem-terra bloqueiam agências do BB em SP

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) bloqueou agências do Banco do Brasil em sete cidades da região do Paranapanema, no interior de São Paulo. O ato foi a forma encontrada pela organização para renegociar uma dívida junto ao governo federal. Em Santo Anastácio, cerca de 200 integrantes do MST se instalaram na entrada do banco e foram acompanhados de perto pela Polícia Militar. Apesar disso, os manifestantes não permitiram que nenhum cliente entrasse na agência. Quem tentou furar o bloqueio acabou discutindo com os sem-terra e saiu irritado.Em Teodoro Sampaio, os funcionários chegaram a entrar para trabalhar, mas não tiveram como fazer o atendimento ao público. Em Pirapozinho, um grupo composto por 30 sem-terra também bloqueou a entrada do banco, usando faixas e bandeiras do MST. O protesto foi pacífico e o acesso a agência ficou restrito aos bancários.No Pontal do Paranapanema, existem mais de sete mil assentados. A tentativa dos sem-terra é fazer com que o governo renegocie uma dívida do extinto Procera - Progama Especial de Crédito para a Reforma Agrária. Segundo os manifestantes, as agências do BB só serão liberadas se a reivindicação for atendida. Eles alegam que apenas com a prorrogação da dívida agrícola será possível plantar no próximo ano.O líder do MST, José Rainha Júnior, disse esta manhã que a política agrícola do governo está completamente equivocada. Em entrevista concedida ao programa Bom Dia São Paulo, da Rede Globo, ele declarou que as dívidas dos agricultores da região chegam hoje a R$ 10 milhões. Segundo Rainha, a correção aplicada nos financiamentos contraídos pela categoria nos anos 90 é impossível de ser paga por causa da queda de preço de produtos como leite e mandioca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.