Sem-terra acusados de matar capataz são condenados

Os seis trabalhadores rurais sem-terra acusados de matar o capataz da fazenda Rancho Loma, Luiz Corrêa da Silva, em Iguatemi, a 240 quilômetros de Campo Grande, foram condenados, hoje, a penas que variam de 10 a 16 anos de detenção em julgamento que durou cerca de 24 horas. Todos terão de cumprir a pena em regime fechadoO crime aconteceu em julho do ano passado, quando um grupo de sem-terra invadiu a propriedade e impediu que o capataz colocasse uma boiada no imóvel ocupado. Houve discussão e quando a vítima tentou reagir foi derrubada do cavalo e morta com golpe de foice.Sem-terra acampados em Iguatemi permaneceram na porta da Câmara Municipal até o final do julgamento e aceitaram os resultados sem manifestação.José Martins Filho, que a princípio assumiu a culpa querendo inocentar os demais companheiros, e Antônio Carlos da Silva, foram condenados a 16 anos de prisão. Wilson Sales, Roberto Altenholfer, Juraci Rocon Pereira e Carlos Henrique Pereira Neves pegaram 10 anos de prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.