Sem substituto para Furlan, Lula recebe Conselho Político

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa nesta quinta-feira, 15, de uma reunião do Conselho Político - que abriga os representantes dos 11 partidos da coalizão -, no Palácio do Planalto, na qual deve confirmar a maioria das indicações para seu novo Ministério.A equipe do segundo mandato, no entanto, ainda não está completamente definida. Até agora, o presidente não encontrou um substituto para o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, que pediu para deixar o cargo.De acordo com auxiliares do presidente, é possível que Lula anuncie "mudanças de última hora" na escalação do Ministério. Um dos nomes cotados para substituir Furlan seria o do atual ministro do Turismo, Walfrido Mares Guia, que antes havia sido confirmado como sucessor de Tarso Genro na pasta das Relações Institucionais.Entrevistado pela Agência Estado, o usineiro Maurílio Biagi Filho negou que tenha sido convidado por Lula para substituir Furlan. "Nunca fui convidado para nenhum ministério", disse Biagi. "Estou sempre disposto a contribuir com o setor e tenho contribuído, mas não preciso ser ministro para isso".Outro empresário cotado para assumir a vaga de Furlan foi Jorge Gerdau. No fim do ano passado, porém, ele teria negado um suposto convite feito pelo próprio presidente. Lula sondou ainda o presidente da Embraer, Maurício Botelho, que também recusou o posto.Outras indefiniçõesNesta sexta-feira, 16, Tarso assumirá o Ministério da Justiça no lugar de Márcio Thomaz Bastos. Para isso, ele deixará vaga a pasta das Relações Institucionais, que seria assumida por Mares Guia. No entanto, caso o atual ministro do Turismo seja deslocado para o lugar de Furlan, dois petistas voltam a ser cotados para as Relações Institucionais - o ex-governador do Acre Jorge Viana e o deputado gaúcho Henrique Fontana.Outra incógnita da reforma é o Ministério do Desenvolvimento Agrário. A pasta é comandada pelo petista Guilherme Cassel, mas o próprio PT indicou o secretário-geral do partido, Joaquim Soriano, para a vaga. Uma terceira opção, apoiada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), seria o deputado Pedro Eugênio.Mudanças concretasNa quarta-feira, 14, o PMDB garantiu mais espaço no segundo mandato de Lula, ao conquistar um quinto ministério. A novidade é o deputado Odílio Balbinotti, que deve assumir a pasta da Agricultura já na sexta-feira.Além de Balbinotti, o partido conseguiu emplacar os nomes do médico José Gomes Temporão, para a Saúde, e do deputado Geddel Vieira Lima, que comandará o Ministério da Integração Nacional. O PMDB continuará mantendo os ministros Silas Rondeau, em Minas e Energia, e Hélio Costa, nas Comunicações.Também na quarta-feira, o PT desistiu de reivindicar o Ministério da Previdência. Em carta enviada a seu colega do PDT, Carlos Lupi, o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini, disse que o partido de Lula apoiará quem for indicado pelos pedetistas. O nome é o do próprio Lupi.A ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy deve ficar mesmo com o Ministério do Turismo. Após uma série de conversas entre Lula e o PT, Marta disse que aceitaria o posto. Antes, o grupo que a apóia tentou conquistar as pastas das Cidades ou da Educação. No entanto, elas devem permanecer com Márcio Fortes e Fernando Haddad, respectivamente.Durante todo o processo de formação de seu novo Ministério, Lula manteve fora de cogitação qualquer mudança na equipe econômica e na dupla de ministros Dilma Rousseff, da Casa Civil, e Luiz Dulci, da Secretaria-Geral da Presidência da República.O PR deve continuar com o Ministério dos Transportes, que será comandado pelo senador Alfredo Nascimento. Ele volta ao cargo após ter se afastado para disputar as eleições, no ano passado.(Colaboraram Vera Rosa, Tânia Monteiro e Christiane Samarco)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.